Posts

Finlândia faz maior reunião de pais e professores do mundo para planejar educação do futuro

CRÔNICAS DA ESCANDINÁVIA

Claudia Wallin, para a BBC Brasil

Os novos tempos exigem uma nova escola: o diagnóstico vem da Finlândia, que continua a inovar a forma de pensar o ensino mesmo depois de já ter conquistado um dos mais celebrados modelos de educação pública da atualidade – e onde escolas privadas virtualmente não existem.

A meta agora é envolver os pais em um amplo debate sobre a agenda de reformas que os finlandeses acreditam ser necessárias para preservar o nível de excelência do ensino público nos próximos anos.

E para isto, nesta quarta-feira a Finlândia vai realizar simultaneamente, nas escolas públicas de todo o país, o que está sendo anunciado como a maior reunião de pais e professores do mundo.

“O mundo está mudando, as escolas precisam mudar, e o diálogo com os pais é crucial neste processo, uma vez que eles podem desempenhar um papel significativo na evolução da escola”, diz à BBC Brasil Saku Tuominen, um dos organizadores do evento e diretor do projeto HundrEd, criado na Finlândia para identificar e compartilhar inovações educacionais em todo o mundo.

Os finlandeses já se perguntam – que tipo de conhecimento, habilidades e aptidões serão importantes para um aluno em 2030?

“Inovação é a chave”, aponta Tuominen. “Em um mundo em transformação, pensamos que em 2030, por exemplo, os alunos precisarão estar capacitados tanto em termos de novas tecnologias e da ênfase na criatividade como também no desenvolvimento de habilidades emocionais, auto-conhecimento e pensamento crítico”, acrescenta ele.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A reunião recorde de pais é resultado de uma colaboração entre o Ministério da Educação e Cultura, o Sindicato dos Professores, a Associação de Pais de Alunos da Finlândia e o projeto HundrEd.

Mais de trinta mil pais já se inscreveram para participar do evento – e a ideia é transformar a iniciativa em um evento anual.

“Queremos um diálogo de alto nível e permanente sobre os fundamentos da educação do futuro. E mais do que nunca precisaremos de soluções criativas em consonância com a base do pensamento finlandês, que é uma educação em que o aluno tenha prazer em aprender”, destaca Saku Tuominen.

Alunos assumem papel de mestre 

Para alavancar o debate, a reunião de pais e mestres será aberta em todas as escolas com a exibição de vídeos curtos com a fala de especialistas e educadores sobre o curso das reformas a nível nacional, além de filmes sobre inovações que vêndo experimentadas em escala local.

Entre as iniciativas testadas em algumas escolas, será apresentado na reunião um projeto que inverte os papéis entre mestres e aprendizes: alunos estão dando aulas a professores sobre o uso mais eficiente de ferramentas como tablets, mídias sociais e câmeras digitais.

“Os resultados têm sido excelentes”, diz Saku Tuominen. “É uma forma eficaz e econômica de capacitar melhor os professores de cadeiras não ligadas à tecnologia, e que também cria laços mais estreitos entre professor e aluno.”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na visão finlandesa, professores não deverão ser apenas provedores de informação, e os alunos não serão mais somente ouvintes passivos.

“Queremos que as escolas se tornem comunidades onde todos possam aprender uns com os outros, incluindo os adultos aprendendo com as crianças. Habilidades tecnológicas e codificação serão ensinadas juntamente com outros assuntos. Para apoiar os professores, também haverá tutores digitais”, diz Anneli Rautiainen, chefe da Unidade de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação finlandês.

Outra inovação a ser apresentada na reunião de pais é um projeto que vem sendo conduzido nas escolas da cidade de Lappeeenranta, no sudeste da Finlândia, para treinar os alunos em técnicas de solução de problemas. O projeto reúne uma equipe de psicólogos, especialistas e educadores.

“A ideia é capacitar os estudantes a desmistificar os problemas, e aprender a focar nas soluções”, explica Tuominen.

No raciocínio dos finlandeses, é preciso mudar a percepção sobre o que deve ser ensinado às crianças e o que elas necessitam para sobreviver numa sociedade e em um mercado de trabalho em rápida transformação.

“As escolas precisam se adaptar aos novos tempos e reconhecer que, com a revolução tecnológica e o impacto da globalização, as necessidades das crianças mudaram. É preciso incluir no currículo escolar temas como a empatia e o bem-estar do indivíduo, além de renovar os ambientes de ensino para motivar os alunos”, observa Kristiina Kumpulainen, professora de Pedagogia na Universidade da Finlândia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O novo currículo escolar adotado em 2016 já inclui um alentado programa de tecnologia de informação, assim como aulas sobre vida no trabalho. Parte dos livros escolares, assim como a maioria do material de ensino, são completamente digitais.

Diálogo

Pensar fora da caixa é a marca do bem-sucedido sistema de educação da Finlândia, que tem atraído legiões de especialistas estrangeiros para decifrar os métodos idealizados por este país de 5,4 milhões de habitantes.

Os dias são mais curtos nas escolas da Finlândia: são menos horas de aula do que em todas as demais nações industrializadas, segundo estatísticas da OECD. Em uma típica escola finlandesa, os alunos têm em média cerca de cinco aulas por dia.

Os estudantes finlandeses gastam ainda menos tempo fazendo trabalho de casa do que os colegas de todos os outros países: cerca de meia hora por dia. O sistema finlandês também não acredita na eficácia de uma alta frequência de provas e testes, que por isso são aplicados com pouca regularidade.

Apesar disso, a Finlândia brilha nos rankings globais de educação, ao lado dos países com melhor desempenho escolar do mundo.

E para os desafios dos novos tempos, os pais querem voz ativa.

Dialogar é preciso: para a presidente da Associação de Pais da Finlândia, Ulla Siimes, as tradicionais reuniões entre educadores autoritários e pais queixosos são coisa do passado.

“Quando perguntamos aos pais o que eles esperam das reuniões com professores, a resposta é que eles querem se sentir incluídos nas questões escolares, e não apenas receber relatórios sobre o que está sendo feito”, disse Siimes em entrevista à TV pública finlandesa YLE, ao destacar a importância da reunião de pais e mestres da próxima quarta-feira.

“A escola está mudando, e queremos que os pais sejam parte ativa dessa mudança. As experiências pessoais vivenciadas pelos pais décadas atrás podem influenciar as suas concepções sobre como as crianças devem ser educadas nas escolas, e precisamos atualizar nosso modo de pensar para adaptar as técnicas de ensino à realidade da nova era”, acrescentou ela.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A reunião também pretende informar os pais sobre os efeitos positivos de mudanças que já vêm sendo implementadas nas escolas do país, como a criação de salas de aula mais versáteis e flexíveis: paredes vêm sendo derrubadas para a criação de espaços de ensino em plano aberto, com divisórias transparentes. Em vez das tradicionais carteiras escolares, o mobiliário inclui sofás, pufes e bolas de pilates.

“No futuro, não haverá necessidade de salas de aula fechadas, e a aprendizagem acontecerá em todos os lugares” diz Anneli Rautiainen.

Outra aposta inovadora adotada no novo currículo escolar é o ensino baseado em fenômenos, que atualiza a tradicional divisão de matérias e dá mais espaço para que determinados temas – como por exemplo a Segunda Guerra Mundial – sejam trabalhados conjuntamente por professores de diferentes disciplinas.

Para quem aposta que inovações deste porte podem levar a Finlândia a perder posições em rankings mundiais como o Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes), os finlandeses dizem que não é isso que importa.

“A importância de rankings como o Pisa no pensamento finlandês é bastante insignificante. Eles são vistos como uma espécie de verificação de pressão sanguínea, que nos permitem considerar, ocasionalmente, a direção para onde estamos indo, mas os resultados dos testes não são nosso foco principal. O fator essencial é a informação que as crianças e os jovens vão precisar no futuro”, diz o educador finlandês Pasi Sahlberg.

Saku Tuominen: “Inovação é a chave”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Na Finlândia, o objetivo da educação não é obter sucesso no Pisa”, reforça Saku Tuominen, um dor organizadores da reunião de pais. “Nossa meta é ajudar as crianças e adolescentes a florescer e ter uma vida mais satisfatória”.

8 de Novembro de 2017

Veja também:

Vídeo: Como funciona o inovador sistema de educação da Finlândia

A diferença entre ser professor na Finlândia e no Brasil

O que o Brasil pode aprender em educação com a Finlândia

A receita do modelo educacional finlandês: pense diferente