“Vergonha de comprar”: nova tendência sueca para preservar meio ambiente

Cláudia Wallin, correspondente da RFI em Estocolmo

Depois do movimento ‘flygskam’ (‘vergonha de voar’, em sueco), começa a tomar corpo na Suécia uma nova tendência para reduzir os impactos negativos da emissão de gases sobre o meio ambiente: o ‘köpskam’, ou ‘vergonha de comprar’. O alvo central é a indústria da moda, setor que segundo a ONU é responsável por cerca de dez por cento das emissões globais de gases de efeito estufa – um índice maior do que o total produzido pela aviação e o transporte marítimo juntos.

É mais uma consequência do ‘Efeito Greta’ – uma referência a Greta Thunberg, a adolescente sueca que iniciou o movimento de greve às aulas para obrigar os governos a agir contra as alterações climáticas e que este mês iniciou sua viagem de duas semanas para cruzar o Oceano Atlântico rumo aos Estados Unidos, onde participará de eventos sobre o clima em setembro.

“Nos dias atuais, são poucos os suecos que se exibem nas redes sociais ‘comprando até cair’, e a preocupação com o meio ambiente é cada vez maior. O köpskam (vergonha de comprar) é a nova tendência”, aponta o jornal sueco Svenska Dagbladet.

“Muitos hesitam antes de comprar mais uma peça de roupa”, reforça Anna Breman, economista chefe do banco Swedbank.

“Voar escondido”

A “köpskam” (“vergonha de comprar”) é mais um neologismo do vocabulário ambiental sueco. Além de “flygskam” (“vergonha de voar”), que denota a preocupação ética em usar meios de transporte menos poluentes, na Suécia também se fala “tågskryt” (“orgulho de andar de trem”). Para quem viaja de avião mas já se sente desconfortável em admitir, a palavra é “smygflyga”, que significa “voar escondido”.

No jornal Expressen, o autor Fredrik Virtanen conclama: ‘É hora de pararmos de comprar roupas’.

“A única maneira de ser politicamente correto em termos de meio ambiente é não comprar mais nenhuma roupa nova”, diz Virtanen. “Não se pode ser um seguidor de Greta Thunberg e ao mesmo tempo comprar a última novidade da indústria de fast fashion. Em 2016, a (gigante sueca da moda) H&M queimou 19 toneladas de roupas encalhadas em uma central térmica da cidade de Västerås. No mesmo ano, a H&M da Dinamarca incinerou 9,6 toneladas de peças de vestuário, o equivalente a 25 mil pares de jeans. Quantas toneladas foram queimadas na Alemanha? E nos Estados Unidos?”, indaga Virtanen.

A partir de agora, Virtanen promete passar pelo menos um ano sem comprar uma única peça de roupa. Com uma única exceção: meias.

“Uma pessoa precisa de boas meias”, ele pondera. “Mas algo me diz que vou parar de consumir por pelo menos um ano mais, caso eu não perca meus três gorros de lã no inverno”.

Brechós na moda

Na Suécia de Greta, comprar peças vintage em brechós e lojas de segunda mão é a nova moda.

“Fazer compras em lojas de segunda mão adquiriu um status muito maior”, destaca Jonas Arnberg, do instituto de pesquisas de comércio HUI Research.

“O melhor que se pode fazer para comprar roupas de forma sustentável é pedalar até a loja de artigos de segunda mão”, recomenda Malin Wennberg, da Mistra Future Fashion, um dos maiores programas de pesquisa sobre moda sustentável do mundo.

No último Natal, as peças de segunda mão foram eleitas na Suécia como o ‘presente do ano’ – o que indica uma mudança de atitude dos suecos em relação a produtos usados.

“Presentes de Natal de segunda mão não são mais vistos como inferiores”, diz Emma Enebog, gerente de desenvolvimento de negócios sustentáveis da Myrorna, uma cadeia de lojas de segunda mão do país. “Há uma conscientização cada vez maior sobre o impacto que o consumo provoca no meio ambiente”, acrescenta ela.

Loja de segunda mão na capital sueca

Nas ruas de Estocolmo, é notória a preocupação dos suecos com o consumo exagerado de roupas.

“Obviamente, devemos nos preocupar com as consequências do consumo excessivo de roupas para o futuro do planeta. Compro poucas roupas, e dou preferência a produtos orgânicos. Também procuro comer pouca carne. Cada um deve fazer a sua parte, e eu faço a minha”, diz Alexandra, que tem 34 anos e prefere não dizer seu sobrenome.

“É claro que a questão ambiental me preocupa, e por isso não sou adepto da fast fashion. Compro em geral menos roupas, mas que vão durar mais”, destaca Jonas Sjöqvist, de 48 anos.

Já Sara Faraj, de 25 anos, prefere fazer compras em lojas de segunda mão.

“É uma coisa muito sueca, comprar em lojas de segunda mão. E temos muitos brechós aqui”, conta Sara.

Ela é contrária, no entanto, à ideia do “köpskam”:

“É importante que todos ajam de forma mais consciente para preservar o meio ambiente, mas penso que cada pessoa deve ter a liberdade de fazer que quiser. Em vez de fazer as pessoas se envergonharem por comprar muito, poderíamos por exemplo aumentar os impostos sobre a venda de roupas nova, a fim de reduzir o consumo”, opina Sara.

A insustentável indústria da moda

A indústria da moda se tornou insustentável: segundo relatório recente da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), para produzir um único par de jeans são necessários cerca de 7.500 litros de água, o que equivale à quantidade que uma pessoa bebe em média num período de sete anos.

A Unctad ressalta que, além de produzir mais emissões poluentes do que o tráfego aéreo e marítimo, a indústria da moda usa a cada ano cerca de 93 bilhões cúbicos de água – o suficiente para atender às necessidades de cinco milhões de pessoas. E 500 mil toneladas de microfibra, que equivalem a três milhões de barris de petróleo, são jogados no oceano anualmente.

O modelo de negócios dominante é o da fast fashion, no qual a indústria oferece constantemente novas coleções a preços baixos e estimula os consumidores a comprar e descartar roupas.

“Se continuarmos com essa abordagem, a expectativa é de que as emissões poluentes da indústria da moda cresçam quase 50% até 2030”, alertou Elisa Tonda, diretora da Unidade de Consumo e Produção da ONU Meio Ambiente.

Apesar das estatísticas preocupantes, a Unctad afirma que a conscientização em relação ao problema é cada vez maior – tanto por parte dos consumidores como dos fabricantes de moda.

“Diversas empresas, incluindo grandes varejistas de moda, estão integrando princípios de sustentabilidade às suas estragégias de negócio”, diz a Unctad.

Entre as empresas citadas estão a H&M, a Guess e a Patagonia, que passou a produzir jaquetas usando poliéster de garrafas PET recicladas.

 

29 de Agosto de 2019

14 respostas
  1. Dan Thomson
    Dan Thomson says:

    What i do not realize is if truth be told how you’re no longer actually much more neatly-liked than you may be right now. You are very intelligent. You know therefore considerably when it comes to this matter, produced me for my part believe it from a lot of varied angles. Its like men and women are not interested except it’s something to do with Lady gaga! Your personal stuffs excellent. At all times take care of it up!

    Responder
  2. Anthony Cameron
    Anthony Cameron says:

    I as well as my guys were analyzing the nice helpful tips located on your web site and then unexpectedly got a terrible feeling I had not thanked the web site owner for those strategies. The ladies happened to be for this reason glad to see them and have now certainly been having fun with those things. Many thanks for truly being indeed kind as well as for figuring out this kind of important subject areas most people are really wanting to discover. My sincere regret for not expressing gratitude to earlier.

    Responder
  3. Warren Sharp
    Warren Sharp says:

    I and also my buddies were actually reading the good tips from the blog and then quickly I had an awful feeling I never thanked you for them. All of the women appeared to be absolutely joyful to study them and have in reality been making the most of them. Thanks for being so helpful and for deciding upon such amazing ideas most people are really eager to be informed on. My sincere apologies for not expressing appreciation to sooner.

    Responder
  4. Robert Wallace
    Robert Wallace says:

    There is evidently a bundle to realize about this. I consider you made various nice points in features also.

    Responder
  5. Rachel Harris
    Rachel Harris says:

    Generally I do not read post on blogs, but I wish to say that this write-up very forced me to try and do it! Your writing style has been amazed me. Thanks, quite nice post.

    Responder
  6. Paul Lee
    Paul Lee says:

    Hi there colleagues, how is the whole thing, and what you wish for to say on the topic of this article, in my view its genuinely remarkable in support of me.

    Responder
  7. Maria Fisher
    Maria Fisher says:

    Link exchange is nothing else but it is simply placing the other personís weblog link on your page at appropriate place and other person will also do same for you.

    Responder
  8. Robert Duncan
    Robert Duncan says:

    Hello! Do you know if they make any plugins to assist with SEO? I’m trying to get my blog to rank for some targeted keywords but I’m not seeing very good gains. If you know of any please share. Thank you!

    Responder
  9. Molly MacDonald
    Molly MacDonald says:

    Hahahaha, what a funny this YouTube video is! I am still laughing, thanks to admin of this site who had posted at this site.

    Responder
  10. Richard Hardacre
    Richard Hardacre says:

    I’m extremely pleased to find this site. I need to to thank you for your time just for this fantastic read!! I definitely really liked every bit of it and I have you bookmarked to look at new things in your website.

    Responder
  11. Wendy Brown
    Wendy Brown says:

    Hi there, okay brother there are of course many blogging web pages, however I recommend you to use Googleís free blogging services.

    Responder
  12. Cátia Paiva
    Cátia Paiva says:

    A partir do momento em que uma empresa incinera roupas novas, ela incorre em duas situações contraditórias: polui o ar e ignora a existência de pessoas carentes de tudo, inclusive de roupas.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *