Eleição sueca: extrema-direita avança, mas menos que o previsto

Claudia Wallin, de Estocolmo para a Rádio França Internacional

Em uma das eleições mais dramáticas da história democrática da Suécia, os resultados do pleito de domingo confirmaram o retrocesso recorde da social-democracia no cenário político – mas apesar do avanço da extrema-direita, as projeções de que o partido anti-imigração Democratas da Suécia se converteria na segunda maior força política do país não se concretizaram.

O Partido Social-Democrata se mantém como a maior sigla do país, mas sua posição fica mais vulnerável: os social-democratas, que têm dominado a política sueca desde a década de 30, registraram o seu pior resultado eleitoral dos quase cem anos de democracia sueca, com 28,4% da preferência do eleitorado. O número representa um encolhimento de 2,8% em relação às últimas eleições.

“Os eleitores nos escolheram mais uma vez como o maior partido do país. O fato de que um partido com raízes neonazistas (o Democratas da Suécia) tenha ganhado tanto terreno me deixa desapontado. A única coisa que tal partido tem a oferecer é o aumento do ódio. Temos a responsabilidade moral de demonstrar que um outro tipo de sociedade é possível“, disse o primeiro-ministro social-democrata, Stefan Löfven, em discurso a uma platéia de militantes do partido após o anúncio do resultado.

No embate dominado pela polarização do país em torno da questão da imigração e da integração, o partido anti-imigração Democratas da Suécia teve um novo salto em sua ascensão política, com 17,6% dos votos, mas retém a posição de terceira maior agremiação do Parlamento.

“Somos os grandes vencedores dessas eleições. Aumentamos o número de cadeiras do partido no Parlamento, e teremos enorme influência na política sueca nas próximas semanas, meses e anos. E ninguém pode tirar isso de nós”, disse o líder do Democratas da Suécia, Jimmie Åkesson, entre aplausos da militância.

O líder do Democratas da Suécia, Jimmie Åkesson

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na reta final da contagem dos votos, o conservador Partido Moderado superou a ameaça da extrema-direita e conseguiu reter a posição de segunda maior força política do país, com 19,8% dos votos – mas com uma queda de 3,5% em relação ao pleito de 2014. Após a divulgação do resultado, o líder do partido, Ulf Kristersson, pediu a renúncia imediata do primeiro-ministro Stefan Löfven.

“Este governo já se esgotou”, disse Kristersson.

O primeiro-ministro Stefan Löfven já recusou a possibilidade de renúncia. Sem que os dois tradicionais blocos políticos liderados pelos social-democratas e o Partido Moderado tenham alcançado maioria suficiente de votos, entretanto, o cenário para a formação de um novo governo é incerto.

O índice de comparecimento às urnas foi de 84,4%. Apesar de as previsões sobre uma ascensão exponencial da extrema-direita não terem se confirmado, o Democratas da Suécia foi o partido que mais cresceu nestas eleições. Com a obtenção de 62 das 349 cadeiras do Parlamento, o partido teve um desempenho significativo em relação às eleições de 2014, quando obteve 12,9% dos votos.

Fundado em 1988 por ativistas ligados a grupos neonazistas, o partido Democratas da Suécia entrou no Parlamento sueco pela primeira vez em 2010, com 5,7% dos votos. Nos últimos anos, a sigla soube explorar a seu favor as inquietações de parte da população com o crescimento da imigração no país, principalmente a partir da chegada de 163 mil imigrantes à Suécia no auge da crise dos refugiados de 2015 – a maior recepção per capita de imigrantes entre todos os países da Europa.

Mais recentemente, cenas de violência e carros incendiados nos subúrbios menos favorecidos, habitados por uma maioria de imigrantes, alimentaram as tensões – apesar de o governo social-democrata ter adotado políticas mais restritivas de imigração desde 2016.

Na mídia sueca, analistas classificaram as eleições gerais deste ano como uma espécie de referendo sobre a questão da imigração e da integração. Historicamente, as campanhas políticas na Suécia têm se concentrado em temas relacionados ao bem-estar social, como melhorias na educação e na saúde.

Este ano, a campanha foi marcada pelo debate em torno do influxo de refugiados e o desafio de integrar os imigrantes à sociedade sueca, além da necessidade do reforço da lei e da ordem – com maiores verbas para a segurança pública e a contratação de mais policiais. Deficiências no sistema de saúde também figuraram entre os principais problemas citados pelos eleitores nestas eleições.

Na visão do primeiro-ministro social-democrata, Stefan Löfven, é preciso investir em novos programas de integração para refugiados em comunidades marginalizadas, a fim de oferecer aos imigrantes oportunidades de acesso à educação e ao trabalho. Para os apoiadores da social-democracia, o voto contra a extrema direita foi um voto em defesa da solidariedade e dos valores mais fundamentais da democracia sueca.

Já para o líder do Democratas da Suécia, Jimmie Åkesson, a entrada de 400 mil imigrantes no país desde 2015 representa uma ameaça à cultura sueca e ao Estado de bem-estar social.

Antes tratado como um pária pela maioria da população, Åkesson aumentou sua base de apoio nos últimos tempos a partir de uma estratégia destinada a repaginar a imagem do partido, com a expulsão de militantes radicais e declarações de rejeição ao nazismo.

O avanço da extrema-direita na Suécia reforça a tendência em curso na Europa, onde partidos populistas e anti-imigração já chegam a integrar os governos de países como Itália, Áustria, Finlândia e Noruega.

Apesar da votação expressiva conquistada pela extrema-direita, porém, a participação do Democratas da Suécia na composição de governo continua a ser sumariamente rejeitada pelos partidos tradicionais: líderes de todas as siglas têm se recusado a dialogar com os extremistas, a quem acusam de promover o racismo e a xenofobia na tradicionalmente aberta e tolerante sociedade sueca.

A situação é de impasse político: a diferença entre os votos conquistados pelos dois maiores blocos políticos é de apenas três pontos percentuais – o que significa apenas uma cadeira no Parlamento. O bloco de esquerda, composto pelos partidos Social-Democrata (24,8% dos votos), Verde (4,3%) e de Esquerda (7,9%), obteve 144 assentos no Parlamento. Já o bloco da centro-direita, formado pelos partidos Conservador (19,8% dos votos), Liberal (5,5%), Centro (8,6%) e Democrata-Cristão (6,4%) alcançou 143 cadeiras.

Nenhum dos dois blocos tem, portanto, a maioria de 175 assentos necessária para formar o próximo governo.

Se os líderes partidários mantiverem a promessa de neutralizar a influência da extrema-direita na tentativa de compor um novo governo, será necessário costurar algum tipo de aliança entre partidos dos dois tradicionais blocos rivais da política sueca.

A previsão é de que as negociações para a composição do novo governo sueco devem se arrastar pelas próximas semanas.

10 de Setembro de 2018

823 respostas
« Older CommentsNewer Comments »

Trackbacks & Pingbacks

  1. levaquin renal dose

    levaquin renal dose

  2. cialis 20mg tablet prices

    cialis 20mg tablet prices

  3. cialis 20mg tablets prices

    cialis 20mg tablets prices

  4. augmentin for dogs

    augmentin for dogs

  5. levaquin lawsuit

    levaquin lawsuit

  6. cialis 20mg generic

    cialis 20mg generic

  7. augmentin dose

    augmentin dose

  8. levaquin for uti

    levaquin for uti

  9. augmentin dosage

    augmentin dosage

  10. levaquin dosage

    levaquin dosage

  11. sildenafil coupons

    sildenafil coupons

  12. generic levitra

    generic levitra

  13. augmentin antibiotic

    augmentin antibiotic

  14. levaquin antibiotic

    levaquin antibiotic

  15. augmentin and alcohol

    augmentin and alcohol

  16. buy levitra online

    buy levitra online

  17. cheap levitra disse:

    cheap levitra

    cheap levitra

  18. levaquin 750 mg

    levaquin 750 mg

  19. augmentin 875 mg

    augmentin 875 mg

  20. levaquin 500 mg

    levaquin 500 mg

  21. buy levitra disse:

    buy levitra

    buy levitra

  22. augmentin 875 disse:

    augmentin 875

    augmentin 875

  23. levaquin disse:

    levaquin

    levaquin

  24. augmentin disse:

    augmentin

    augmentin

  25. buy cialis generic tadalafil

    buy cialis generic tadalafil

  26. duloxetine 60 mg

    duloxetine 60 mg

  27. duloxetine side effectss

    duloxetine side effectss

  28. duloxetine hcl

    duloxetine hcl

  29. vardenafil 20mg

    vardenafil 20mg

  30. duloxetine 20 mg

    duloxetine 20 mg

  31. vardenafil 20 mg

    vardenafil 20 mg

  32. duloxetine disse:

    duloxetine

    duloxetine

  33. generic cialis tadalafil

    generic cialis tadalafil

  34. vardenafil disse:

    vardenafil

    vardenafil

  35. cymbalta withdrawal

    cymbalta withdrawal

  36. levitra vs viagra

    levitra vs viagra

  37. cymbalta reviews

    cymbalta reviews

  38. cialis side effects

    cialis side effects

  39. levitra dosage

    levitra dosage

  40. cymbalta medication

    cymbalta medication

  41. levitra coupon

    levitra coupon

  42. cymbalta generic

    cymbalta generic

  43. cialis pills disse:

    cialis pills

    cialis pills

  44. levitra 20 mg disse:

    levitra 20 mg

    levitra 20 mg

  45. cymbalta for pain

    cymbalta for pain

« Older CommentsNewer Comments »

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *