Gilmar sobre férias de juiz: nem boteco dá certo dando 60 dias de folga

RADAR BRASIL

“Quem já teve oportunidade de administrar um boteco, por exemplo, sabe que é impossível as coisas funcionarem dando 60 dias de férias”, comparou o ministro Gilmar Mendes, ao falar sobre os dois meses de férias a que têm direito os juízes e promotores do País das Maravilhas.

“Devemos ser o único país que tem dois meses de férias para juízes e promotores, fora os 6 meses de licença premio no Ministério Público. Só na equalização disso aqui já ganharíamos 10% de força de trabalho”, disse Gilmar, durante o julgamento em que o STF decidiu esta semana restringir o foro privilegiado de deputados e senadores.

Além das mamatas dos guardiões da lei, Gilmar atacou os custos amazônicos do Judiciário brasileiro:

“Gasta-se mais que a Alemanha para ter a Justiça de Bangladesh”, disse o ministro. “Noventa por cento dos gastos do Judiciário é com salário de pessoal”.

Afirma ele que os ministros do Supremo não têm a mamata dos 60 dias de férias, em função do volume de processos julgados pela corte.

Ainda durante o julgamento, Gilmar disse que o sistema de Justiça Criminal nos diversos estados da federação é “disfuncional”, e não está preparado para julgar detentores de foro.

Em repúdio às críticas de Gilmar, entidades de juízes e procuradores soltaram uma indignada nota conjunta:

“De forma genérica, sem dados específicos, (Gilmar) questionou a remuneração de juízes e membros do Ministério Público, mas não apresentou, como de costume, soluções adequadas”, diz a nota.

“De outra parte, as declarações desrespeitosas contra a atuação dos juízes e membros do Ministério Público brasileiros são despropositadas e com o nítido objetivo de desestabilizar o sistema de Justiça. Ao votar, o ministro deixou de se ater ao cerne da discussão jurídica e passou a ofender e desqualificar o trabalho dos magistrados, membros do Ministério Público e servidores que atuam incansavelmente nas mais diversas e caóticas regiões do Brasil”, acrescenta o comunicado.

Entre as entidades que assinam a nota estão a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), a Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).

Conheça o livro “Um País Sem Excelências e Mordomias”

Do Jota:

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, voltou a criticar nesta quinta-feira (3/5) os 60 dias de férias previstos para os magistrados. No julgamento que definiu a restrição pra o foro privilegiado para deputados e senadores, o ministro subiu o tom e afirmou que  “quem já teve oportunidade de administrar um boteco, por exemplo, sabe que é impossível as coisas funcionarem dando 60 dias de férias”.

O ministro atacou a folga dos juízes diante do impacto que isso causa, em sua opinião, na prestação jurisdicional.

“Nós temos falta de juízes e falta de promotores. E como que nós temos suprido isso? Com o modelo de substituição. Paga-se para substituição. Mas nós devemos ser talvez o único país no mundo que temos dois meses de férias para juízes. Dois meses de férias para promotores. Nós temos seis meses de licença prêmio para promotores e procuradores. Presidente [ Cármen Lúcia], só na equalização aqui, acabar com a férias de dois meses, nós já ganharíamos 10% de força de trabalho”, disse.

O ministro Luiz Fux fez uma intervenção e lembrou que trabalha na minuta do novo Estatuto da Magistratura, que deve enfrentar essa questão. “Eu tô incumbido da finalização da redação da Loman [ Lei Orgânica da Magistratura Nacional] e essas férias já são reduzidas à 30 dias. E nós só vamos obedecer os recessos regimentais e processuais. Então isso é um problema que está próximo à acabar.”

Gilmar rebateu: “Sim, mas, só essa decisão ministro Fux, daria para o pobre estado do Piauí, pra citarmos um exemplo, a ampliação de 10 forças, 10% de sua força judicante e também persecutória. Vejam portanto, que tem questão que, por isso que eu acho extremamente positivo esse debate. O que vai deitar luz sobre essas mazelas que estão aí e que não são colocadas”.

Segundo Gilmar Mendes, os gastos com o Judiciário no Brasil são elevados e não se resolve os problemas do sistema. “Gasta-se mais que a Alemanha para ter a Justiça de Bangladesh”

6 de maio de 2018

183 respostas
« Older Comments
  1. Jose Maria Farias Rodrigues
    Jose Maria Farias Rodrigues says:

    Eu não entendo porque os coxinhas defende o auxílio moradia do juiz Sérgio moro que tem moradia própria em Curitiba. E e contra a pessoa que paga aluguel ou às vezes não tem nem onde morar receber uma bolsa escola ou renda minha ou um benefício que as vezes não chega nem a cem reais. Não consigo entender. Só pode ser gente sem coração.

    Responder
  2. Jose Maria Farias Rodrigues
    Jose Maria Farias Rodrigues says:

    Os coxinhas postam reclamações do bolsa família mas não postas esses benefícios que juízes e procuradores ganham já tendo um salário de outro mundo

    Responder
  3. Marcondes Leonir
    Marcondes Leonir says:

    Com um jato da FAB fica mais ágil passear e assim podem abris mão das ferias. Não tendo nada mais interessante, trabalhar se totna mais atrativo.

    Responder
  4. Ivo Venturi
    Ivo Venturi says:

    E ainda tem gente q vangloriza esses caras, chamando- os d herois, quanta ignirancia, da pra se ver q o povo brasileiro e muito atrazado

    Responder
  5. Emanuel Silva Carvalho
    Emanuel Silva Carvalho says:

    Quando um ministro do stf estiver no stf por meritos proprio mediante concursos e não conchavos, poderá então falar alguma coisa sobre a magistratura. Além de ganhar bem mais e ter bem mais regalias que qualquer magistrado e sem a menor meritocracia.

    Responder
  6. Aleandro Costa
    Aleandro Costa says:

    Muitos vêem o Gilmar Mendes como um ministro que apóia bandidos…Mas vejo como o único ministro sensato digno do cargo ao qual pertence, é realista faz as coisas dentro dá constituição sem dar bola para os outros pau mandado do temer… Parabéns Gilmar tens minha admiração e respeito.

    Responder
  7. José Carlos Neto
    José Carlos Neto says:

    É uma vergonha, e muita safadeza isso tem que acabar, enquanto o trabahador muito mal pode tirar 30 dias de férias.

    Responder
  8. Pedro Júnior
    Pedro Júnior says:

    O ilustre Ministro Gilmar poderia tornar sua opinião um exemplo prático para todos, parar de viajar tanto pra divulgar seu instituto e continuar trabalhando no STF durante os recessos, pra mostrar a todos como deveria ser… Vai ter o apoio em massa da população, desde que pare de defender tanto a bandidagem…

    Responder
  9. José Mamede Gabriel
    José Mamede Gabriel says:

    Só trabalhadores têm que trabalhar um ano inteiro sem parar quando pegar férias vendem metade porque nem pode ficar em casa com tantas dúvidas pra pagar agora porque um juiz que na maioria das vezes ganhar mais de um salário mínimo por dia tem que ficar dois meses de férias aí é de mais

    Responder
  10. Odony Santos
    Odony Santos says:

    Deve dar trabalho vasculhar o dicionário atrás de palavras de dificil compressão,a fim de compor discursos de 3 a 4 horas que causam sonolência, ao final nem eles sabem o que
    Falaram…onde um simples SIM ou NÃO oncordaria com o relator.Talvez seja esse o motivo para tanto descanso.

    Responder
  11. Wesley Sena
    Wesley Sena says:

    Só sei gue dois meses de férias so tem pra esses do STF pg o juiz Sérgio moro nem 30 dia dias ficou de férias e ainda prendeu um monte de corrupto e o stf até hoje nenhum foi condenado.

    Responder
  12. Renato Felix da Silva
    Renato Felix da Silva says:

    O que esses juízes,promotores, políticos enfim essas classes de desocupados vagabundos tiram férias não dar seis meses de trabalho

    Responder
« Older Comments

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*