Você paga: gasto de deputado com jato daria para pagar 34 voltas ao mundo

RADAR BRASIL

Nas asas do dinheiro público: o (sic) representante do povo Fernando Giacobo (PR-Paraná), que prefere fretar jatos a viajar em vôos comerciais, já gastou este ano R$ 189 mil em recursos públicos com locação de aeronaves – conforme revelou a coluna de Rogério Galindo, na Gazeta do Povo. É o suficiente para dar 34 voltas no planeta em aviões comerciais, fazendo o percurso até o Japão sempre com paradas em Dubai, a R$ 5,4 mil por viagem.

Sim, é ele mesmo: Giacobo é aquele ‘sortudo’ que ganhou na loteria 12 vezes em um período de 14 dias, em 1997. O deputado paranaense também deve R$ 21 milhões à União. O  montante, que também inclui débitos pendentes de empresas do parlamentar, consta do portal da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) e os dados são públicos.

Em tempo: Giacobo também votou a favor da rejeição das duas denúncias contra Michel Temer.

Conheça o livro “Um País Sem Excelências e Mordomias”

Da coluna de Rogerio Galindo, na Gazeta do Povo:

 

Deputado gasta em frete de aviões o suficiente para dar 34 voltas ao mundo

O deputado federal Fernando Giacobo já gastou em 2017 R$ 189 mil de recursos públicos com locação e fretamento de aeronaves. O dinheiro sai da cota parlamentar a que todos os deputados têm direito mensalmente para atividades ligadas ao mandato.

A maior parte dos deputados, quando viaja, usa a cota para comprar passagens em voos comerciais. Giacobo, porém, aluga jatos da Helisul Táxi Aéreo. A prática já era adotada em outros anos pelo parlamentar, que diz estar fazendo tudo dentro do que a Câmara exige.

O mês em que os gastos foram maiores em 2017 foi fevereiro, quando Giacobo usou R$ 64 mil em duas viagens. A primeira, por R$ 39 mil, levou o parlamentar de Foz do Iguaçu a Cascavel e depois a Brasília. A segunda, de R$ 25 mil, levou-o de Curitiba a Brasília e de volta ao Paraná.

Procurando em sites especializados, mesmo em cima da hora, é possível encontrar passagens para Curitiba-Brasília, ida e volta, por R$ 1 mil, aproximadamente. O que significa que os R$ 25 mil utilizados permitiriam fazer a viagem por 25 dias consecutivos, gastando o mesmo.

Já os R$ 39 mil, gastos para um deslocamento de Foz a Brasília, com uma parada, permitiriam uma série de seis viagens entre São Paulo e Tóquio, no Japão, ida e volta. O que significa, literalmente, dar seis voltas no globo pelo preço de uma viagem doméstica.

Já os R$ 189 mil gastos apenas em 2017 seriam suficientes para dar 34 voltas no planeta em aviões comerciais, fazendo o percurso até o Japão sempre com paradas em Dubai, a R$ 5,4 mil por viagem.

Outro lado

Questionado pelo blog, Giacobo enviou uma nota dizendo que tudo é feito licitamente. “No período citado utilizei, rigorosamente, a Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar nos estritos limites estabelecidos pelo Ato da Mesa 43/2009”, diz o parlamentar.

5 de Dezembro de 2017

89 respostas
« Older Comments
  1. Ergon Eproh
    Ergon Eproh says:

    A HISTORIA NÃO MENTE, PMDB Agora uma informação um pouco mais “recente”, do ano 1985. O chefe de 18ª Seção de documentação – seção responsável pelos ilegais, ou seja, agentes vivendo no estrangeiro sob uma identidade falsa – escreveu um relatório Para os amigos cubanos intitulado Sobre a formação de grupos comunistas no norte do Brasil. O relatório fala sobre o fato de que os comunistas “tradicionais” (a favor de Moscou) se infiltraram no partido PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro), que apoiava o candidato à presidência Tancredo Neves. Do outro lado os radicais comunistas do partido PCdoB são caraterizados como o grupo pro-albânia, anarquista e terrorista. http://stbnobrasil.com/pt/1985-relatorio-sobre-os-grupos-comunistas-brasil

    Responder
  2. Fabio Machado
    Fabio Machado says:

    Brasil um país de todos os absurdos. Eles nunca vão abrir mão desses privilégios e mordomias por bem. Só uma revolução salva o Brasil.

    Responder
  3. Laercio Luciana
    Laercio Luciana says:

    o povo não pode achar que é normal políticos usar dinheiro público para…viagem.restaurante.roupa.moradia e entre outros.e depois ficam tirando direitos e aumentos abusivos…#issonaoenormal

    Responder
  4. Arno Schilling Filho
    Arno Schilling Filho says:

    Não elegi Temer, elegi a Dilma!!! E foi golpe, até fora do país se sabe!!! Não sou petista, mas os anti-petistas são os que elegem um sujeito desses…

    Responder
  5. Ton Souza
    Ton Souza says:

    Mesmo assim ainda votam e pior ainda, onde anda a PF; MPF; e outros órgãos que deveriam estar investigando???

    Responder
  6. Paulo Luiz Martins
    Paulo Luiz Martins says:

    O pior é que essa pilantragem ainda tem lugar da política. Enquanto houver coxinhas “cachorros” não passam “fome”!!!

    Responder
  7. Vaner Chaves
    Vaner Chaves says:

    mas peraê se ele ja era sortudo em 97 porque vcs votaram nele?
    sim porque deputado nao é nomeado e sim eleito .
    no seria muita trouxisse do povo o poblema?

    Responder
  8. Joao Dias da Silva
    Joao Dias da Silva says:

    Como é que estes canastrões não teem um pingo de vergonha na puta da cara……..a putaria o despudor o desapego da coisa publica é natural nesta classe de politicos vergonhosos que até roubam ao abrigo de leis votadas para a roubalheira ser legal…..um nojo.

    Responder
  9. Jane Lopes
    Jane Lopes says:

    Feliz será o dia em que eu ver o povo colocando outdoor imensos falando os gastos pessoais dos deputados, pagos com o nosso dinheiro… aí quem sabe a coisa muda

    Responder
  10. João Mião
    João Mião says:

    Depois quando alguém diz que no país precisa de cadeira elétrica, dizem que somos radicais. Cadeia neste cara.

    Responder
    • Wenzel Almeida
      Wenzel Almeida says:

      Eu ainda sou contra a pena de morte no Brasil. Mas os políticos brasileiros são tão pulhas que a lei precisa mudar

      Responder
« Older Comments

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*