Como é ser professor na Suécia

A VIDA NA SUÉCIA

Por Claudia Nascimento Ekström*

Agosto, final de verão na Suécia e começo de um novo ano letivo nas escolas. Bandeira sueca hasteada na Blåsboskola, na cidade de Västerås, dança com a força do vento e anuncia um dia cheio de expectativas.

De repente, o sinal toca e no meio do rebuliço geral nos corredores, avisto Martina Nyberg, 37, professora da segunda série do ensino fundamental. Enquanto a fila de alunos é formada, ela olha cada uma das crianças nos olhos, dá um abraço e a calma se instala.

Formada desde 2003, Martina já trabalhou como professora no Laos, na Suíça e poderia ter optado pela escola sueca de São Paulo, quando recebeu uma proposta de emprego na cidade. Atualmente a realidade dela é vivida na escola Blåsbo, com seus 25 alunos.

“Esse trabalho internacional me deu a possibilidade de testar vários desafios como professora. Mas me encontrei mesmo trabalhando na Suécia e me considero satisfeita profissionalmente.”

Aqui, a maioria das escolas é pública e obrigatória para os alunos de 7 a 16 anos.
Na pré-escola, paga-se uma taxa que é regulamentada de acordo com o salário dos pais. Sendo que o valor nunca ultrapassa o equivalente a 576 reais mensais e é decrescente, caso a família tenha mais de uma criança matriculada na escola. Como a licença parental é de 480 dias, as crianças começam a vida escolar a partir de 1 ano ou 1 ano e meio, dependendo de como os pais decidiram utilizar o benefício.

Cerca de 60% dos professores são mulheres. Até aí, nenhuma novidade. Mas professores do sexo masculino, cada vez mais, estão presentes em muitas creches do país. Se trocam fraldas e são ativos na educação dos próprios filhos, por que achariam estranho fazer o mesmo pelos filhos do outros numa creche?

“Seria muito bom ter mais colegas homens nas escolas e creches. Sobretudo para que as crianças também tivessem a figura masculina na pele do professor. Desde criança já tinha me decidido que seria professor. Sempre tive certeza do que queria fazer. Trabalhar com crianças é muito interessante e enriquecedor”, comenta Niklas Westerberg, também professor da segunda série na Blåsboskolan.

Para ser professor na Suécia é necessário cursar a faculdade por um período de 3 anos e meio a 5 anos. Tudo depende se o profissional vai trabalhar com alunos da Educação infantil, ensino médio ou fundamental.

Desde 2011, é lei a necessidade da chamada “carteira profissional de habilitação” para ser contratado. Apenas professores habilitados pelo Departamento de Educação Sueco (Skolverket), estão autorizados a avaliar alunos e aplicar notas.

Atualmente há uma grande discussão na Suécia a respeito do futuro dos professores que exercem a profissão sem a habilitação legal ou que lecionam em matérias às quais não estão totalmente aptos a lecionar. Um professor de inglês que leciona no ensino fundamental não está apto a lecionar sueco no ensino médio.

“Isso porque a formação acadêmica desse professor não foi direcionada a lecionar sueco ou, talvez, essa disciplina não tenha feito parte da formação acadêmica desse profissional de modo a lecionar no ensino médio”, explica Niklas Delander, assessor do Skolverket. A formação acadêmica do professor sueco tem enfrentado mudanças e adaptações nas últimas décadas. Daí a diferença no nível acadêmico entre os profissionais e, agora, obrigatoriedade de complementar a educação.

Salários, desafios e sistema de avaliação

Segundo prognósticos da Associação Nacional dos Professores Suecos (Lärarförbundet), vão faltar mais de 65.000 professores nas escolas suecas até 2025. Solução para o problema? Aumento de salários e diminuição da carga de trabalho para brecar a evasão e gerar interesse em futuros profissionais.

A remuneração salarial do professor na Suécia, como em tantos outros países, também ainda é motivo de descontentamento. Segundo a Lärarförbundet, a média salarial atual para um professor com experiência e muitos anos de carreira, é de 30.000 mil coroas suecas – equivalente a 13.617 reais.

“A gente sabe que os salários em Estocolmo são maiores. Mas nas outras regiões, a realidade é que são poucos os professores que recebem em torno de 30.000 coroas mensais. Nós, professores de cidades menores, lutamos constantemente para melhorar o nosso salário. O nosso trabalho diário é muito importante pra sociedade”, diz a professora Martina Nyberg. Na cidade de Västerås, um professor em início de carreira, ganha em torno de 23.000 mil coroas (10.440 reais).

”O meu salário paga as contas do mês, a alimentação, mas não existe espaço para extravagâncias com o que sobra. Se eu quiser viajar nas férias preciso economizar durante bastante tempo e não é todo mês que é possível fazer isso. Sou separada, mãe de uma filha e não tenho possibilidades de sair do orçamento e cometer gastos extras”, comenta Martina, moradora de um apartamento de dois quartos, sala, cozinha e banheiro.

Embora o salário de um professor na Suécia pareça generoso aos olhos brasileiros, vale lembrar que a Suécia é, decididamente, um dos países mais caros do mundo e tanto o salário quanto o status do professor são considerados aquém do desejado pela categoria.

“É a velha história de que não se é professor pelo dinheiro. Mas o professor, além do ensino, hoje em dia, acumula diversas outras responsabilidades na escola e tornou-se, também, um administrador”, pontua Martina Nyberg. A carga horária do professor sueco é de 45 horas semanais e as férias variam entre 25 a 32 dias.

O sistema de avaliação escolar sueco, se comparado ao brasileiro, pode causar alguma surpresa: as notas são aplicadas apenas a partir da sexta série. Algumas escolas aboliram de vez o terror de muitos alunos: a lição de casa.

“Não gostaria que a avalição fosse como em outros países. Acho até que na sexta série é muito cedo pra começar a pressionar o aluno. O ideal seria mais tarde, na sétima ou oitava séries”, opina o professor Niklas Westerberg.

Para Martina Nyberg, a avaliação do nível de conhecimento e desenvolvimento da criança engloba uma diversidade de fatores. O trabalho realizado em sala de aula, o contato da escola com os pais, tudo isso pode ser mais importante do que uma nota no boletim, opina a professora.

Niklas Delander e Martina Nyberg: “Queremos que as crianças sejam respeitadas pelo que são”

Segundo eles, a maior dificuldade das escolas suecas é a grande quantidade de alunos em cada turma – 25 e 26 nas turmas desses professores.

“É um desafio ter tantas crianças nas salas. Além da falta de espaço, alguns precisariam de um tempo individual maior com o professor. Se uma criança com necessidades especiais, detectadas através de diagnóstico, precisar de uma ajuda extra, a escola fornece o serviço durante um tempo limitado. Fora isso, existem pedagogos que fazem parte do nosso cotidiano possibilitando a divisão das crianças em dois grupos. São poucas horas por semana, mas a necessidade é maior. Faltam recursos financeiros”, relatam.

O termo hen e a igualdade de gêneros

O conhecido posicionamento sueco relacionado às questões de igualdade de gênero se reflete, evidentemente, também na escola.

A palavra sueca hen é um pronome pessoal de gênero indefinido ou de “sexo neutro”, como os suecos a definem. Ao invés de ele e ela, respectivamente han e hon, em sueco, o termo hen, entrou em ação para englobar homens e mulheres num só pacote.

A palavra existe na língua sueca desde 1966, mas passou a ser difundida com mais afinco nos últimos anos. Agora, faz oficialmente parte da lista de novas palavras da Academia Sueca de Letras (SAOL), em sua edição de 2015.

Martina Nyberg e Niklas Westerberg estão de acordo em discordar do uso do termo nas escolas. “O mais importante é permitir a liberdade em deixar as crianças serem o que são: meninos e meninas”, dizem.

“Muitos acham que queremos fazer dos meninos, meninas. E das meninas, meninos. E logicamente não é o caso. Queremos que todos tenham a possibilidade de serem quem são. Se um menino está interessado em brincar com uma boneca, então ele pode fazê-lo. Queremos que as crianças sejam respeitadas pelo que são. É assim que a escola costuma ver a discussão de gênero. Pessoalmente, não gosto da palavra “hen”, relata Nyberg.

Nas creches Nicolaigården e Egalia, em Estocolmo, instituições com o chamado certificado LGBT, a “filosofia-hen” emplacou e faz parte do cotidiano. Além de inserir hen como alternativa no vocabulário de crianças e funcionários, parecem querer banir, de vez, qualquer tipo de estereótipo sexual. Inclusive na literatura, já que livros infantis com personagens com dois pais, duas mães ou outras constelações familiares são mais do que bem-vindos.

Emitido pela Associação Nacional para os direitos de homossexuais, bissexuais e pessoas trama (RSFL), da Suécia, o certificado mencionado é adquirido quando a organização trabalha ativamente com questões ligadas ao respeito e inclusão no ambiente de trabalho, pautados na perspectiva LGBT.

Em entrevista ao jornal Lärarnas Nyheter, Lotta Rajalin, diretora da Nicolaigården, relata que durante o curso para a obtenção do certificado, os temas abordados não tangiam apenas orientação e diversidade sexual, mas também assuntos como deficiências físicas e etnias.
” Afinal, o foco da discussão é o mesmo: a gente precisa aceitar a todos”, diz Rajalin.

E por falar em igualdade de gêneros, corte e costura, carpintaria, economia doméstica e culinária são algumas disciplinas escolares presentes no conteúdo programático de meninos e meninas. Algumas dessas matérias, já a partir da terceira série do Ensino Fundamental.

Bullying

Segundo dados da ONG sueca antibullyng, Friends, 60 mil crianças são vítimas de bullying todo ano na Suécia. Mensagens pelo celular, computador, tablet, comentários maldosos e olhares crueis são os tipos mais comuns de bullying aos quais os alunos são submetidos.

Apesar das escolas possuírem planos antibullying, a Friends trabalha ativamente junto à instituições aonde os desafios são maiores. Segundo dados recentes, nos 15 anos de existência da ONG, 40 escolas suecas e 9000 alunos já passaram pelos programas de reeducação contra o bullying. Em relatório de 2014, a organização mostra que após um ano participando do programa, 24% dos casos de bullying diminuem. O mesmo material revela ainda que de 10 escolas participantes do programa, 9 relatam melhora considerável na diminuição do problema.

“Apesar de a política das escolas ser de tolerância zero com relação ao bullying, se ele existir, é contornado através de um time antibullying. Se acontece algo e nós professores ficamos sabendo, a diretoria é acionada, os pais são avisados e os envolvidos são chamados. Se não houver melhora num primeiro momento, o trabalho continua”, explica Westerberg.

Na Suécia ou no Brasil, fica a clara certeza de que ser professor é profissão desafiadora em qualquer terra. Mas entre desafios e belezas, o que é mais inspirador no sistema sueco?
“Para mim, é saber que todas as crianças na Suécia têm o direito de frequentar a escola e serem livres pra serem o que quiserem”, diz o professor Niklas Westerberg.

 * Claudia Nascimento Ekström é jornalista, tradutora-intérprete e inebriantemente viciada em palavras. Mora na Suécia, mas sempre foi e será de Sampa.
13 de Agosto de 2017
Leia também:
7 respostas
  1. Diogo Ferreira Silva
    Diogo Ferreira Silva says:

    Cara e aqui governo cortando gastos sociais fechando universidades e demitindo professores. Regredimos ao século 19. E uma lastima.

    Responder
  2. Abilio Gonçalves Junior
    Abilio Gonçalves Junior says:

    ”O meu salário paga as contas do mês, a alimentação, mas não existe espaço para extravagâncias com o que sobra. Se eu quiser viajar nas férias preciso economizar durante bastante tempo e não é todo mês que é possível fazer isso. Sou separada, mãe de uma filha e não tenho possibilidades de sair do orçamento e cometer gastos extras”, comenta Martina, moradora de um apartamento de dois quartos, sala, cozinha e banheiro.

    Há algo de podre no Reino (“perfeito”) da Suécia! Se ser professor na Suécia não é nada fácil e compensador, profissional, econômico e socialmente, imaginem no Brasil! :-( A escola lá como aqui parece que ficou parada no Século XVIII nos métodos, didática, conteúdo, tecnologias, etc., para alunos do Século XXI. Não tem como competir e motivar ninguém!! :-*

    Responder
  3. Flávio Carvalho
    Flávio Carvalho says:

    Então os salários são baixos? Não basta dar aumento e sim, saber o q causa a evasão. Notícia pela metade.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*