Sem motoristas particulares

olof_palme
[show_fb_likes]
Ao volante de seu velho Fiat 600, Olof Palme dirige para o trabalho na sede do Governo. FOTO: ARNE SCHWEITZ/ publicada no jornal Svenska Dagbladet em 21.12.2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nenhum deputado sueco tem direito a carro com motorista. Os que moram nos subúrbios da capital cumprem a rotina típica dos trabalhadores ditos normais, balançando em vagões de trem ou metrô a caminho do escritório. Deputados mais dispostos vão de bicicleta, se o frio ainda não é inclemente. Mas a maioria dos que vivem nos apartamentos funcionais próximos ao Parlamento chega mesmo a pé, sujeita aos inevitáveis escorregões no solo congelado pelos longos invernos de Estocolmo.

A tentação do conforto de dirigir o próprio carro para o trabalho é geralmente domada por três bons argumentos: o culto sueco à preservação do meio ambiente, o preço alto dos estacionamentos e ele, o trängselskatt, o proibitivo imposto sobre congestionamento cobrado a todos que ainda insistem em levar o carro para o centro de Estocolmo.

”O Presidente do Parlamento também vem de metrô para o trabalho”, diz Maria Skuldt, da Secretaria de Imprensa do Parlamento.

Assim como o presidente da Casa, todos os parlamentares têm direito a receber um cartão anual para viajar gratuitamente nos transportes públicos.   Por razões que a razão de muitos eleitores suecos desconhece, nas viagens de maior distância os deputados têm ainda a opção de viajar nos silenciosos vagões de trem da primeira classe.

 

Carros oficiais são poucos, e para uso limitado. O Parlamento possui apenas três veículos, modelo Volvo S80. Esta frota de três está à disposição somente do Presidente do Parlamento e seus três vice-presidentes, para eventos oficiais.

”Não é um serviço de táxi”, me diz René Poedtke, do setor administrativo do Parlamento. ”Os carros não estão disponíveis para levá-los para casa ou para o trabalho. Isto é também uma questão de conservar o meio ambiente. Precisamos usar menos o carro”.

Na Suécia, o único político que tem direito a carro em caráter permanente é o primeiro-ministro. O carro pertence à frota da polícia secreta sueca, a Säpo (Säkerhetspolisen). Ministros podem requisitar veículos ”quando têm fortes razões para precisar de um”, segundo diz um assessor do governo: ”Por exemplo, quando vão fazer um discurso em um subúrbio distante”.

Na sede da Säpo, o porta-voz dos serviços de segurança diz que carros podem ser eventualmente oferecidos a ministros, dependendo de análises de grau de risco para sua segurança.

”Mas não são os ministros que decidem. Todos os carros pertencem aos serviços de segurança, e portanto é a Säpo que avalia qual ministro pode ter direito a transporte, e em que ocasiões”, informa o porta-voz.

É comum ver políticos no metrô, ou caminhando pelas ruas, sem escolta. Mas desde o assassinato do primeiro-ministro Olof Palm, em 1986, e da tragédia que vitimou a ex-ministra do Exterior Ana Lindh – morta a facadas por um doente mental em uma loja de departamentos na capital sueca, em 2003 -, alguns ministros passaram a contar com a proteção de seguranças da Säpo.

Comentários

comentários

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*